De malas prontas pro Egito: Hábitos, Costumes e outras coisas


Nesse artigo falaremos sobre os costumes do povo egípcio, do que eles gostam, o que fazem e outras coisinhas… É sempre muito empolgante conhecer um lugar novo, e essa viagem ao Egito está nos sonhos de todos os participantes da 9 Expedição Equipe Zigurats e Projeto Portal, sob liderança de Urandir Fernandes de Oliveira. Sendo assim, toda informação que vier rechear nossa bagagem de conhecimento é sempre muito bem vinda!

 

Narguilé

Muito popularo naguile é encontrado em todas as partes - Pesquisador Urandir

Como é de conhecimento de todos, o povo do Egito fuma muito. Um dos hábitos preferidos é fumar Narguilé!

Narguilé é um cachimbo de água utilizado para fumar tabaco aromatizado. Há diferenças regionais no formato e no funcionamento, mas o princípio comum é o fato de a fumaça passar pela água antes de chegar ao fumante. É tradicionalmente utilizado em muitos paísHomens se encontra em bares para fumar e conversar - Pesquisador Urandires do mundo, em especial no Norte da África, Oriente Médio e Sul da Ásia.

O narguilé tem origem no Oriente. Uma das versões é a de que o narguilé teria sido inventado na Índia do século XVII pelo médico Hakim Abul Fath como um método para retirar as impurezas da fumaça. Quando chegou à China, passou a ser utilizado para fumar o ópio, e assim permaneceu até a Revolução comunista chinesa, no fim da década de 1940. Na mão dos árabes, o cachimbo de água foi rapidamente incorporado para ser apreciado em grupo, acompanhado de café e prosa. Existem evidências históricas de narguilés na Pérsia e na Mesopotâmia. As peças mais primitivas eram feitas com madeira e um coco que fazia o lugar do corpo (o nome origina-se do persa nārgila, que significa “coco”).Em todos os lugares pessoas fumam narguile no Egito - Pesquisador Urandir

As cruzadas também auxiliaram a espalhar o narguilé pela Europa, quando os guerreiros sobreviventes traziam-no do oriente para seus países de origem. No Brasil, o narguilé foi trazido por alguns imigrantes europeus, e divulgado pelas colônias turca, libanesa e judaica.

O narguilé é formado pelas seguintes peças:

Base (jarro ou vaso): peça central do narguilé; assemelha-se a um vaso. É onde se coloca a água (ou, embora não seja tradicional, com outros líquidos, como arak, sucos ou essências naturais). Geralmente é feita de vidro, metal ou cerâmica; algumas são ornamentadas com desenhos.Fumar narguile é comum no Egito - Pesquisador Urandir

Corpo: peça cilíndrica que sustenta o fornilho e conecta-se à base. Na base, projeta um tubo para dentro da água, que conduz a fumaça.

Fornilho (rosh, cabeça ou cerâmica): peça de barro ou cerâmica onde coloca-se o tabaco aromatizado (também chamado de essência) e, por cima deste, o carvão em brasa.

Abafador (laminito): Artefato em metal (muitas vezes descartados), geralmente alto para proteger a brasa do vento, evitando o consumo rápido do carvão.

Mangueira (condutor): é por onde se aspira a fumaça. Uma ponta termina numa piteira, e a outra encaixa-se na parte superior do corpo do narguilé (acima da água). Pode haver mais de uma mangueira para que várias pessoas fumem juntas (porém estes com válvulas especiais, ou do contrário os usuários não poderão “puxar” a fumaça simultaneamente). Em narguilés usados em locais públicos como bares, frequentemente usa-se uma peça plástica removível na ponta da piteira que pode ser lavada ou descartada a cada uso, ao contrário da mangueira em si, que não deve nunca ser lavada, pois pode oxidar, criando, assim, partículas de fuligem que atrapalham a aspiração da fumaça.

Camelos no transporte e no casamento

Camelos - valiosos animais no Egito - Pesquisador UrandirOs camelos constituem um gênero de ungulados artiodáctilos (com um par de dedos de apoio em cada pata) que contém duas espécies: o dromedário (Camelus dromedarius), de uma corcova e o camelo-bactriano (Camelus bactrianus), de duas corcovas. Ambos são nativos de áreas secas e desérticas da Ásia e Norte da África. Ambas as espécies são domesticadas, que fornecem leite e carne, e são animais de tração. Os humanos têm domesticados camelos há milhares de anos.  Camelos árabes são domesticados há mais de 5.000 anos na região do Oriente Médio.

No  Egito é tradicional o passeio de camelo, até nas pirâmides você pode dar uma voltinha de camelo pagando apenas alguns trocados.  Seus donos os enfeitam muito, de forma que atraia a atenção dos turistas ávidos por uma foto com o camelo, e é muito normal se deparar com camelos pelas ruas do Egito. Esse animal faz parte da história do Egito desde os tempos faraônicos. Camelos enfeitados para atrair turistas - Pesquisador Urandir Eles são utilizados desde o tempo dos faraós como transporte e animais de carga. Veja abaixo alguns dados desse magnífico animal.

  • durante muito tempo foi considerado um símbolo de status e riqueza;
  • apresentam em geral 2 metros de altura e 3 metros de comprimento;
  • adaptam-se e toleram as mais elevadas temperaturas como também as mais baixas;
  • são herbívoros e alimentam-se das plantas que encontram nos desertos;
  • na falta de alimentos, ingerem qualquer coisa que encontram pela frente: cordas, sapatos, tendas…
  • possuem uma boca extremamente grossa por dentro, nem mesmo um pedaço de cacto chega a incomodar;
  • sua corcova chega a pesar 36 kg e contém gordura, não água como muitos pensam;
  • quando não encontra nada para comer durante dias, seu organismo consome automaticamente a gordura da corcova – é seu suprimento de energia de emergência;
  • a medida que a gordura é utilizada, a corcunda murcha até que a próxima alimentação seja feita em algum oásis, voltando rapidamente a forma normal;
  • consegue consumir mais de 100 litros de água em apenas 10 minutos; primeiramente a água vai para o estômago, logo em seguida para os vasos sanguíneos; em apenas 10 minutos mais de 70 litros já nem se encontram mais no estômago;
  • em um dia consegue carregar 180 kg de carga por quase 150 quilômetros, sem parar para beber ou comer coisa alguma;
  • seu sangue é composto de 94% de água, exatamente como os humanos;
  • mesmo perdendo 40% de água no sangue, o camelo permanece saudável (já num ser humano, com 5% a menos a visão já fica comprometida – se a perda for de 10% a pessoa enlouquece – com 12% de perda, o sangue fica tão espesso que o coração não consegue bombeá-lo mais e pára);
  • quando bebe água por 10 minutos, recupera rapidamente os 100 kg perdidos;
  • suas patas são largas e se tornam-se mais largas ainda quando caminha; isso facilita sua caminhada nas dunas;
  • cada pé tem dois longos dedos revestidos de couro bem grosso;
  • caminha aproximadamente a 15 km por hora com carga;
  • nas tempestades de areia, suas narinas se fecham porque tem músculos especiais para isso, portanto a areia fica fora, mesmo assim, permite a entrada do ar para os pulmões;
  • suas pálpebras descem sobre os olhos como telas, protegendo da areia e do sol, mesmo assim, não lhe prejudicam a visão; se um grão de areia entra nos olhos, automaticamente é removido por um sistema que funciona como um colírio interno;
  • a camelo fêmea produz leite rico em gordura; este leite também é utilizado para produzir manteiga e queijo;Camelos - valioso animal no Egito - Pesquisador Urandir
  • sua pelugem é trocada uma vez ao ano e é usada para produzir tecido e roupas;
  • são conhecidos também como “navios do deserto” pela forma como balançam ao caminhar; para pessoas que não estão acostumadas, pode causar um certo enjôo;
  • ambas as pernas de um lado movem-se ao mesmo tempo, elevando aquele lado; o movimento “esquerdo, direito, esquerdo, direito” dá à pessoa que está montada a impressão de que está em uma cadeira de balanço mas que se move nas laterais;
  • um camelo normal pesa 450 kg;
  • existe uma joelheira nas pernas dianteiras que crescem a partir dos 6 meses nos camelos e isso faz com que eles possam se levantar e abaixar com todo seu peso sem prejudicar a articulação;
  • sua carne pode ser utilizada numa emergência no deserto;
  • é comum no Oriente Médio comer carne de camelos jovens, apesar de sua carne ser menos atraente que a de cordeiro e de boi.

Reza a lenda que no Egito os homens propõe casamento ãs mulheres em troca de camelo. Por seu valor histórico e comercial até hoje, é a moeda mais comum para se definirem casamentos no Egito e outros países do deserto é o camelo.

Se você quer se casar no Egito, esteja preparada para uma dura negociação e tente saber se antemão quantos camelos você vale!!.

Escaravelho

O escaravelho no Egito Antigo - Pesquisador UrandirEscaravelho é a designação comum a insetos coleópteros (besouros), especialmente os que vivem de excrementos de mamíferos herbívoros.

Há cerca de 2000 espécies de escaravelhos no mundo.

No Egito Antigo, o escaravelhos eram seres sagrados, sendo usados como amuletos relacionados com a vida após a morte e a ressurreição.

É considerado um símbolo de sorte por nascer entre as fezes do camelo no calor do deserto.

Eram muito usados nas mumificações para proteger o morto no caminho para o Além.

Naja – A cobra do Egito

Naja uma cobra do Egito - Pesquisador UrandirA naja egípcia era representada na mitologia egípcia pela deusa (com cabeça de cobra) Meretseger. Uma naja egípcia – sob a forma de o uraeus representando a deusa Uadjit – era o símbolo de soberania para os faraós, que a incorporou no seu diadema. Esta iconografia foi continuado durante o período helenístico no Egito (305 aC-30 aC).

A maioria das fontes antigas dizem que a Cleópatra e seus dois assistentes cometeram suicídio por ter sido mordido por uma víbora, que se traduz em inglês como “asp”. A cobra teria sido contrabandeada para o seu quarto em uma cesta de figos. Plutarco escreveu que ela realizou experimentos em prisioneiros condenados e encontrou veneno mais indolor de todos os venenos mortais. Esta víbora provavelmente teria sido a naja egípcia.

A naja egípcia tem entre 1,5 e 2,4 m de comprimento. As características mais reconhecíveis de uma cobra egípcia estão na sua cabeça. A cabeça é grande e achatada, com um focinho largo. Os olhos da cobra são grandes com pupilas redondas. Sua garganta pode variar de 15 a 18 centímetros. A cor é variável, mas a maioria dos exemplares são algumas tonalidades de marrom, muitas vezes com manchas maisNaja a cobra do Egito - Pesquisador Urandir claras ou mais escuras, e muitas vezes uma “gota” embaixo do olho. As espécies do noroeste da África (Marrocos, Saara Ocidental) são quase inteiramente pretas.

A naja egípcia normalmente vive em savana seca e as regiões semidesérticas com pelo menos um pouco de água. A naja também podem ser encontradas em oásis, terreno agrícola, morros com vegetação esparsa e gramados. Essas cobras não têm medo dos seres humanos e geralmente entram nas casas. Elas são atraídas para as aldeias humanos por galinhas e ratos que são atraídos pelo lixo. Há também relatos que essas najas nadam no mar Mediterrâneo.

A naja egípcia é silvestre, terrestre e noturna, embora em cativeiro eles parecem tem hábitos diurnos. Pode, no entanto, ser visto sob o sol, muitas vezes no início da manhã. Ele mostra uma preferência por um lar permanente em tocas de animais abandonados, cupinzeiros ou afloramentos de rocha e outros, às vezes entrando habitações humanas para caçar aves domésticas. Geralmente, elas fogem, mas se ameaçada ela assume a postura ereta típica. Suas presas são pequenos mamíferos, lagartos, sapos, cobras e outros.

Naja do Egito - Pesquisador UrandirO veneno da cobra egípcia é neurotóxica, principalmente, a quantidade média de veneno normalmente atinge aos 175–200 mg em uma única mordida. Seu veneno afeta o sistema nervoso, interrompendo os sinais nervosos sejam transmitidos para os músculos e em fases posteriores parando os que foram transmitidos para o coração e os pulmões, causando a morte devido à parada cardiorrespiratória. O envenenamento provoca dor local, inchaço grave, contusões, bolhas, necrose e variável de efeitos não-específicos, que podem incluir dores de cabeça, náuseas, vômitos, dor abdominal, diarréia, tontura, desmaio ou convulsão, juntamente com moderada possível paralisia flácida grave. Ao contrário de outras cobras africanas, esta espécie não cospe veneno.

Deixe seu comentario

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>