O Martelo de Kingoodie revela uma história perdida 1


Artefato de Kingoodie - arquivo de pesquisa urandir 2015   O Martelo de Kingoodie encontrado na escócia - arquivo de pesquisa urandir 2015O artefato Kingoodie, também conhecido como o Martelo de Kingoodie é um artefato em forma de martelo que foi encontrado em um bloco de arenito Devoniano no ano de 1844 na pedreira Mylnefield, em Kingoodie na Escócia. Foi encontrado pelo renomado cientista David Brewster. O objeto foi datado na época como sendo da Idade da Pedra, mas em 1985 o Centro Britânico de Pesquisas Geológicas realizou uma nova datação e estimou a idade do martelo para o período Devoniano, que abrange 360 a 410 milhões de anos atrás.

Esse objeto é classificado como OOPART (Out of Place Artifacts ou artefato fora do lugar), pois como poderia esta ferramenta ser de centenas de milhões de anos atrás se nesta época só existiam animais marinhos primitivos. Se comparar como exemplo, os dinossauros só teriam aparecido a cerca de 250 milhões atrás.Kingoodie Escocia

O artefato foi encontrado quando um bloco bruto da pedra estava sendo preparado para ser cortado. Percebeu-se o objeto quando a argila superior foi removida da pedra. O Objeto com meia polegada de sua haste que se projeta para a argila e o restante da cavilha encontra-se ao longo da superfície da pedra dentro de uma polegada da cabeça que se inscrusta na pedra. Não se sabe ao certo em qual parte da pedreira a pedra veio. Há, no entanto, poucas referências a este objeto, e os mistérios que cercam a sua descoberta remetem ao século XIX, sendo que a maioria deles foram resolvidos por volta do século XX.

Há muitas especulações sobre esse artefato na internet, muitas sem fontes confiáveis. Alguma delas afirmam erroneamente que o artefato tenha sido encontrado no Texas, EUA, talvez em função de onde está exposto atualmente O Martelo de Londres: no Museu de Evidências da Criação no Texas, Estados Unidos.

Conforme estudos do Instituto de Metalurgia de Columbia, a cabeça é composta por uma liga que contem 97% de puro ferro, 2% de cloro, 1% de enxofre, sendo a sua metalurgia similar as modernas ligas metálicas.

TMartelo de Kingoodie encontrado na escócia - urandir 2015ambém foi observado que a rocha em que o martelo estava encerrado mostra sinais de que o processo de incrustação aconteceu em condições atmosféricas distintas, muito diferentes das que são vistas nos dias atuais. De acordo os cientistas que a analisaram, a rocha nos remete a condições atmosféricas que são de fato condizentes a uma era remota. Porém alguns outros cientistas tradicionais argumentam que as evidências são insuficientes para apoiar hipótese da datação para alguns milhões de anos dessa relíquia.

De qualquer forma, inúmeros fragmentos de ossos e artefatos indicam que seres humanos existiram na Terra há milhões de anos e não somente cerca de 100 mil anos atrás como a arqueologia e ciência tradicional acredita. Esses artefatos e evidências não podem ser ignorados nem esquecidos porque contradizem a visão tradicional que aprendemos relativa às origens e história do Homem na terra.

 


Deixe seu comentario

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

One thought on “O Martelo de Kingoodie revela uma história perdida

  • LUIS VIEIRA DE MATOS

    Anomalias cronológicas, ou seja, objetos encontrados “fora do seu tempo”, são bem mais comuns do que aquilo que se julga. Enquanto uns são totalmente inquestionáveis, outros nem tanto. No caso do “Martelo de Kingoodie” há algo que não foi explicado: “o cabo de madeira deste martelo”… Como foi possível que durante milhões anos esse pedaço de madeira não se deteriorasse?