Quando Homens Tornan-se Deuses


Michelangelo Capela Sistina Uma série de experiências interessantes foram realizadas em meados dos anos 60, por uma equipe de cientistas liderada por Irwin Shapiro. Shapiro desenvolveu um experimento para provar a relatividade da desaceleração do tempo de Einstein e gravidade do Sol que curvaria o espaço  forçando assim a luz viajar uma distância mais longa, uma vez que passasse pelo Sol. Esta mudança no tempo pode ser medida pelo experimento de Shapiro.

Sua experiência foi emitir um sinal de radar para Saturno e receber o mesmo sinal de volta para a Terra possibilitando medir o tempo decorrido. Ele, então, repetiu o experimento com o Sol, essencialmente posicionado entre a Terra e Saturno. Esta experiência foi feita utilizando eventualmente um número de planetas junto e o efeito desses planetas parecem ser bastante desprezíveis.

Como previamente determinado quando a luz passa pelo Sol ou estrela, ela leva mais tempo para concluir a viagem de volta. Isto foi confirmado pela experiência de Shapiro.

Agora, com os resultados de seus experimentos, ele é capaz de fazer a “engenharia reversa” de uma equação para satisfazer os resultados. Ele utilizou todas as 10 equações da teoria da relatividade de Einstein, incluindo aquelas de massa e gravidade e como poderia  alterar o espaço-tempo, então ele usou as teorias de Einstein para desenvolver sua equação.

Shapiro tinha a seguinte informação:
1) c, Velocidade da luz
2) L, constante da gravidade de Newton
3) M, massa do Sol
4) GM, Portanto, ele era capaz de calcular constante gravidade do Sol.
5) A distância da Terra para Saturno,

Sua equação final, é indicada com

equacao1

e realmente, uma extensão de várias maneiras, para a equação de Schwarzschild determinada em 1916.

Quando cientistas realizam uma “engenharia reversa” de uma equação para provar uma teoria,  muitas vezes torna-se um resultado auto-realizável. Shapiro usou as equações de Schwarschild que davam mais de uma solução precisa para as equações de campo de Einstein, que descrevem as interações de gravidade e como elas se curvam no espaço-tempo. Ao usar uma extensão da teoria de Einstein, suas conclusões já são pré-determinados e tornan-se auto-sustentável.
Por um momento, vamos voltar no tempo para 1964. Só que desta vez não é Shapiro que está a realizar estas experiências, mas Straw Walker. Há também uma outra diferença importante … vamos considerar que Einstein nunca nasceu. Agora a equação resultante será a mesma?

Após a conclusão destas mesmas experiências, Straw Walker ficou surpreso que o espaço-tempo é de alguma forma alterada pelo SOl, mas ao contrário de Einstein, ele não vê que a massa e gravidade do Sol seja relevante. (Lembre-se que para esse cálculo, as equações de Einstein não existem)
Straw Walker acredita que o campo magnético de giro do Sol está causando a distorção do espaço tempo. Ele também acredita como Einstein acreditaria se estivesse vivo, que a luz viaja no meio do espaço. Luz de Einstein viaja no meio do espaço curvo, uma vez que passa pela massa do sol. Este espaço curvo atua como um plano de 2 dimensões, como se deforma em volta da massa do sol.
Straw Walker, alternativamente, usa o campo magnético do Sol para fazer a “engenharia reversa”  de uma equação para chegar com o resultado exato detectado. Como em ambas as equações, a variação de tempo não é dependente do total da distacia percorrida pelo feixe, mas apenas do que passa perto do sol. Se o feixe é colocado perto a Marte ou Júpiter os resultados permanecerão constantes.
Maxwell era um tipo de gênio como Tesla ou Einstein. Suas equações desenvolvidas em meados dos anos 1800, eram leis que mostraram a interação de energia elétrica, campos magnéticos e magnetismo. Eram leis, porque seus resultados foram testados por várias experiências, embora hoje em alguns casos, eles não se aplicam. Sua equações foram comprovadas em muitas de equações de Einstein posteriores para a luz e o tempo.

Straw Walker usa as equações de Maxwell para demonstrar que o campo magnético do Sol está  distorcendo o espaço-tempo, e não a massa do Sol. Em vez de produzir uma curvatura para o espaço, o campo magnético do Sol contrai o espaço mais próxima para o Sol. Como a luz entra neste espaço contraído, parece retardar a partir do ponto do observador na Terra. Como uma aeronave voando no ar e enfrentando um vento frontal de cabeça, o indicador de velocidade do ar da aeronave permanece inalterado, mas o seu tempo estimado para seu destino alterado. Isto é o que acontece com a luz, uma vez que entra num espaço contraído. A luz parece reduzir a sua velocidade vista por um observador, como ocorre num vento frontal em uma aeronave, que resulta numa alteração da hora de chegada.

Maxwell comentou em 1864: “de acordo dos resultados parece que vemos que a luz e o magnetismo são relações da mesma natureza, e que a luz é uma perturbação eletromagnética propagada através do campo, de acordo com as leis eletromagnéticas.”

Portanto Straw Walker deduzido que o campo magnético do Sol e não a massa do Sol, estaria causando as anomalias nos resultados de espaço-tempo como a luz passando próxima do Sol.
As conclusões que se chegou, tanto pelo espaço contraído ou espaço curvado, eram exatamente as mesmas, exceto que as teorias são diferentes. É como por exemplo, definir a teoria de Einstein como 2 + 2 = 4, enquanto a equação de Straw Walker como  3 + 1 = 4. Ambas produzem  os mesmos resultados, mas a partir de diferentes teorias.
Do ponto de vista prático, há uma diferença muito importante nestas duas teorias. As equações de Einstein usando a massa para distorcer o espaço-tempo não pode ser reproduzida artificialmente, enquanto a equação de Straw Walkers  para simular a desaceleração do tempo e  contração do espaço,  pode ser simulada pelo homem … controlando o tempo e o espaço, o homem pode  “Tornar-se  um Deus.”

A Equação de Onda de Maxwell  infere que qualquer onda eletromagnética plana viaja à velocidade da luz e atua como a luz.

equacao2
Straw Walker tinha;
1) as equações de Maxwell
2) O campo magnético do Sol
3) A velocidade c da luz
4) distâncias d entre os planetas
5) Os resultados de Shapiro
6) o campo magnético B do Sol
Assim podemos encontrar c; inserindo a diferença de 200 microssegundos de tempo de Shapiro na equação.
c irá mostrar um pequeno decréscimo na velocidade, indicando uma redução do tempo.

Em essência: homem torna-se Deus

Palavra árabe para essa premissa ; شك

No Século I, os cientistas islâmicos acreditavam que o primeiro passo para o avanço da ciência era a duvidar. Na sua época, não havia dúvidas que o antigo conhecimento grego da Cosmologia do Universo e, particularmente, do sistema Solar e como o sistema solar é observado, se relacionado com dados matemáticos.
É o mesmo ocorre hoje. Devemos sempre duvidar se a ciência é para avançar. A teoria do espaço curvo de Einstein para explicar a gravidade relaciona-se com o que observamos? Os planetas orbitam no Sistema Solar em uma superfície plana e não mostram curva orbital. As galáxias são planas como uma panqueca enquanto orbitam a massa central dos buracos Sonda Rosetta negros e não apresentam qualquer curvatura de suas órbitas. Se o espaço curvo existe, e explica a gravidade, então porque a a luz “diminui” à medida que passa através do espaço curvo e planetas que passam por este mesmo espaço curvo aceleram, enquanto seguem 2ª lei de Kepler? Se o espaço é curvo não iria ambos reagirem da mesma maneira?
Einstein estudou as equações de Maxwell, e usou suas idéias para, eventualmente, permitir-lhe desenvolver suas próprias equações. Por que Einstein fez um giro de 180 graus a partir de equações de Maxwell, que foram comprovados pela experiência e usam a massa e a gravidade de Newton constante em sua equação quando Maxwell afirmou claramente que a luz está relacionada a um fenômeno eletromagnético e não relacionados com a massa?
Einstein estaria errado? Duvidar é o primeiro sinal de gênio.
O satélite Rosetta que pousou no Cometa 67P daria à comunidade científica uma excelente oportunidade para testar a teoria espaço curvo de Einstein.
A sonda do satélite Rosetta teve seus instrumentos regulados na estrela do Norte, quando orbitava o Sol. Se Einstein está correto e a massa curva o espaço,  então  quando a órbita do cometa está próximo ao perigeu deveria haver uma deflexão angular, indicando que o satélite e cometa estão viajando em uma trajetória curva. Mas nenyuma deflexão foi percebida.

Deixe seu comentario

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>